Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O NASCIMENTO DE UMA SUBMISSA

Debatia, gritava... Mãos fortes me seguravam... Fui posta num banco traseiro de um carro... Não sabia se nascia ou morria naquele dia...



Na época eu tinha quase 19 anos, mas parecia ter bem menos: miudinha, quase sem seios, não lembrava sequer o que era menstruação. Vivia nas ruas, tinha família, mas não sabia mais quem era. Apesar da vida na rua, cheirando cola, ainda me mantinha virgem. Estranho, porem verdadeiro, dois anos de rua, cheirando cola, fazendo pequenos furtos e nunca havia entregue meu corpo. Fugira de casa pra que isso não acontecesse, pois sua mãe pouco importava com as investidas do seu padrasto, achava ate natural.



Não sei por quanto tempo aquele carro rodou... As mãos que me seguravam faziam carinho em meus cabelos... Devagar fui perdendo o medo, embalado por aquele carinho e pelo movimento do carro... Adormeci naqueles braços, fortes e gordos. Os seios dela eram enormes. Havia um casal no carro, eles iam à frente, porem pouco falava, e eu nem percebi sua presença.



Chegamos a algum lugar a noite, não dava pra ver direito. Fui acordada, devagarzinho, desci do carro meia sonolenta, meio confusa, era uma casa de fazenda, dessas antigas... fui levada a um quarto, onde dormi, não sei quanto tempo. Durante umas duas semanas tive crises de abstinência..pouco lembro, mas algumas coisas, alguns xingamentos ficavam entre algo como um sonho ou realidade: -sua puta, vagabunda...viciada... Vou te encher de tapas... Vou te bater tanto... E por outro lado, um carinho, um afago.... Lembro de ter mamado... Não podia ser lembranças passadas, pois minha mãe era mirrada, seca e branquela. Lembro de um seio grande, farto... Uma musica de ninar...



O dia atravessava pela janela, pela primeira vez observei o quarto onde estou... não sei que dia é hj, nem sei onde estou... me sinto bem. Olho pelas janelas...todas tem grade. Ainda deitada observo tudo... mobiliário simples, duas camas de solteiro, com a guarda alta...mosquiteiros preso ao teto. Ouço passos... finjo dormir. Sinto ela se aproximar... o cheiro de café... meu estomago ronca. Aquela mão que senti no carro me toica..abro os olhos de vagar...

_Acorda minha menina... sei que você esta acordada.. Lentamente abro os olhos. Não tenho medo dela, mas me encolho... È uma mulata forte, de uns cinquenta anos, ou mais. Tem na cintura um molho de chaves. Observo-a: seios grandes, cabelos negros, presos num coque...

- Vamos, menina, come, vai esfriar...faz quinze dias que sá tome leite.

_Eu.. a senhora.... as palavras se perdem na minha boca... Ela ri. Sim, essa velha ba ainda tem leite, dei pra você estes dias todos, se não você não aguentaria.

_Onde estou? Num abrigo? Numa clinica?

_ Não, você esta na propriedade de Dona Rosa e Sr Marcos.. É assim que deve chama-los... Eles lhe trouxeram pra cá...

- Mas eu não quero ficar, quero voltar pra rua.

- Você deixou de ter querer. Aqui todos queremos o seu bem, mas se você não se comportar, com certeza será castigada.

Ela saiu, trancando a porta por fora... Num ataque de fúria joguei a bandeja no chão, gritei, quebrei alguns enfeites que estavam na estante... O meu destempero é tão grande, que nem percebo que ela volta, acompanhada de uma senhora, bem vestida, sá paro quando percebo uma dor fina na minha bunda

_Para sua vadia, já esta na hora de se comportar, ou então deixarei você num quarto escuro. Isso sá me enfureceu. Joguei o que tinha na direção dela, ela se virou rápido.. deu outra chicotada, outra e mais outra... a dor era horrível

_sua cadela, você tem que entender que agora você é minha, e que vai se comportar do jeito que quero.

- não sou sua, gritei, não sou..quero ir embora, quero sair daqui... falei quase chorando... sentei no chão. Senti aquelas mãos me ajudarem a levantar... deitada de bruços, sá percebi o que faziam quando senti um pico no meu traseiro.... o sono veio.. povoado de coisas insanas, de devaneios..ou de realidade...



Querem que eu continue... me escreva

[email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


muher contando istoria erotica na camaquero ver no boa f*** de mulheres com shortinho todo enfiado no rabocontos er apaga a luzcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenterapazes conto heterocontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos arrombando a gordaminha cunhada casada me esnobou contostesudas contoquero ver duas mocinhas branquinhas estragando a bucetinha na outraempregada deu a bucetinha ao patrao sobre chantagemContos eroticos encoxadascontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos marido fala pra mulher quem v ela trepa cm um pedreirocontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadoscontos pornos fudendo mamae irmascanto erotico negao fudendo sua madastraContos eroticos.filhos com penis grande grosso.e mamae carentesminha coleguinha me chamou pra comer o cuzinho na casa delaContos.minha.filha.ja.ten.cabelo.na.buceta.Conto eroticos amigos comeram mamaecontos de mulheres que tomaram ativador sexualcontos encoxadasSou casada a muito tempo e amo muito mesmo meu marido mais acabei traindo econtos eroticos arrombando a gordaMULHER COMENDO O HOMEN COM MAO TODAomcontos eróticos namorada tirou a roupaconto erotico sobrinhafazendo uma massagem no papai contoDoberman fode contosnamorado descabacei Ela gozou dentromeu filho cacetudo comeu meu bucetao cabeludo de quatro. contos.cavalonas de casa disse apertadacontos eroticis sexo bucetinha e cu no estradacontos meu marido falou que tenho um bucetaonovos relatos eróticos com fotos de corno minha esposa andando na rua toda gozadaContos comi o cu da mulAtA  Marilia e Juliana estavam mais uma vez fr ente a frente para uma dolorosa batalha. Ambas traziam nos corpos as marcas feitas pela outra em combates violentos e sangrentos. Marilia vestia tão somente uma minúscula tanga branca fio dental. Juliana uma  Bianca trabalho conto eroticocoroa gostosa e pega de surpresa por entregadorirmao com ciumes contos eroticoswww. brasileiras provocando com olharesde safadas pornoGabi comendo a égua no cioconto corno raboContos eroticos... Minha sogra ouviu os gemidos da filhacontos com priminha safadinhas de dez aninhospai emfia pica filha morromeu noivo me preparo uma despedida de solteira conto eróticosConto erotico. Amiga da turma xxxhomem fudeno mulher defisienti porno doidocontos eroticos meto ate as bolas no meu fiho viadihocontos velho paga sexo com meninascontos de sexo com novinhas trepando com advogadoscarla dando a buceta ora o seu filho de 18conto sexo eroticos fihas e amigas meninascontos eroticos gay - minha irma me preparouContos primeira chupadaContos sogra mulher e cunhadas peladinhas na piscinaconto erotico gay coroa viuvo faz viadinho de femeaconto erotico -comi minha namorada e sua irmã dgozei gozou dentro dormia contoscontos eroticos abusando do garoto da ruacontos eroticos familiaconto erotico minha prima que considero irmãcontos eroticos com imagens convensendo a amiga a trocar swingtransex não operada mostra como esconde o seu peniscontos de mulheres casadas que colocaram o dedinho no rabinho de seus maridos e eles adoraramdei o cuzinho meladinho contosmeu filho me comeuCONTO HEROTICO DE ESTcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteimagens de conto de homem transando com catador de lixovideos porno pai afunda as tanga da filha virgemconto porno gay putinha de vários