Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

RELIGIOSA CHANTAGEADA PELO PATRÃO III

Quando a porta se fecha à saída de Valter, Rafer se agacha e suavemente puxa Lúcia pelos braços que está em ligeiro estado letargíco. Ele a chama por seu nome e aos poucos os verdes olhos de Lúcia se entreabrem, mostrando os alvos dentes e pequenos montes de semem espalhados pelos lábios, face e queixo. Lúcia, de repente, retoma sua real personalidade e solta um grito de aflição. Rafer, de súbito, sabe o que vem a seguir e age rápido. Lhe esbofeteia na face! Lucia fica um pouco em estado de choque.

-Quieta, vagabunda! Veste tua blusa...somente a blusa! Tira a mão do rosto! Não limpa pôrra nenhuma!! Vai até a janela e quando o corno de teu maridinho sair, chama por ele e diz que voce ficar até mais tarde...me dando o cuzinho!! - Lucia arregala os olhos e o pânico aparece em seu lindo rostinho afogueado.- Deixa de ser bôba, á putinha! Diga o que voce quizer! Mas que voce vai levar rola no cuzinho, isso vai!!

Rafer posiciona a mesa a cerca de um metro da janela de modo que ele se encoste nela e faz com Lucia encaixe sua turgida rolona entre as nádegas dela. Em seguida, acariciando-lhe a xaninha, ele encosta a boca na orelha dela e sussura:

-Agora se inclina pra frente pra que eles, lá de baixo te vejam do busto pra cima.

Lúcia, novamente, começa a se sentir estranha. O calor de luxuria vai se aumentando por todo seu corpo. Ela sente o arquejar de Rafer ao mesmo tempo que ele faz um suave sobe-e-desce com a tora entre suas nádegas e todo aquele pensamento de ser sodomizada toma conta de seu ser. Ela luta para não ceder, para resistir, mas a quentura daquela imensa rola aveludada lhe faz lembrar o cheiro do orgasmo que tivera minutos atrás. Lucia passa a língua em volta dos lábios e saboreia o resto de esperma que encontra.

-Vou deflorar voce agora...- A voz suave de Rafer encoar no ouvido dela - Voce vai ter o maridinho te olhando enquanto minha rola vai se agasalhar no teu cuzinho, minha bela!

Lúcia ainda resiste pelo inusitado da situação, mas ao mesmo tempo toda a expectativa que Rafer lhe descreve, sá lhe faz desejar imensamente que aquilo se torne real; ter a rola de um homem estranho em seu cuzinho enquanto é observada por seu marido! A antecipação é tão intensa que sua vagina arde de tezão e dor. A imagem que ela pressente de ver os chifres de seu maridinho cresceram a sua frente, é algo fantasticamente orgasmico para ela que sempre guiara seus valores morais pelos dogmas de sua igreja protestante. Vinha-lhe a mente agora, quantas vezes ela espanou da mente pensamentos de ser possuída por pelo menos uns dois pastores que ela sentira tezão! No meio destes pensamentos, ela sente a rombuda glande da tora de Rafer forçar lentamente a entrada de seu anus. Automaticamente ela se reteza como tinha feito anteriormente quando levou os dois dedos no cuzinho.

-Vem minha...putinha...relaxa...mas vem...devagarinho...assim...assimm!

O desconforto da passagem da glande inteiramente pelo seu anelzinho é compensado pelas palavras que Rafer lhe diz ao ouvido. Lucia aspira o ar profundamente enquanto espera seu cuzinho ir se acostumando com aquela gentil expansão.

- Já passou...toda a...cabeça...Mais um...pouquinho...vai...vai...assiiimm, sem medo...minha putinha...bundundinha...gostosa!...assiiimmm, aaahhh...

Lúcia não sabe o quanto de rola seu cuzinho já engoliu, mas agora o desconforto é mínimo e Lúcia sente que a libidinagem passa ser a fomentadora de sua total excitação e futuro orgasmo. A imagem dela estar ali esperando seu marido passar embaixo da janela enquanto um outro homem a sodomiza, é toda libidinagem que ela mais deseja!

Com um pouco mais da metade da rola de Rafer agasalhada no reto, Lúcia lentamente ensaia um curto vai e vem, percebendo que quanto mais longo, vai se acostumando com o desconforto, que ela espera que desapareça logo, logo! Então ela vê o topo da cabeça de seu pai e de seu marido, que na sua luxuria, acha que realmente vê duas protuberancias a crescer!

-Valter! Valter...amor! Aqui em cima!! O Dr. Rafer...quer...que...eu...aaahhh...lhe dê algumas...aããã...informa..ções. Acho...que...nãããooo serei...despedidaa...

Valter não sabe porque, mas aquelas reticencias na fala de Lúcia não lhe é estranha, mas no momento não sabe discernir, pois ainda está abalado com tudo que acontecera e principalmente pelo que Rafer tinha lhe dito. Valter vê sua bela esposinha na janela, um andar acima e começa um dialágo. Ele nota que ela está um pouco agitada - Provavelmente pela estressante situação, pensa ele - e responde-lhe que está tudo bem...que ele a espera em casa.

-Voce...não vai...se...incomodaaaar...de..eu..de eu...fazer isso com o...o...Dr....Raaafer, né? ...dele ficar...pegando...no...meu pé, ficar...atrás de mim...né?

-Não, meu amor! Está tudo bem. Se ele vai te manter no emprego é lágico que ele vai te "apertar", vai ficar no teu calo, atrás de voce o tempo todo! Quando acabar, telefona que eu venho te buscar! Um beijo!

- Eeespeeeera...tá tão...bom...eu...conversar...com voce...enquanto o Dr. Rafer...nãããooo vem!- Lucia já está acostumada em ter toda a rola de Rafer em seu canal anal e gagueja toda vez que os pentelhos dele se encostam em sua bunda. Por sua vez, Rafer cautelosamente faz o vai e vem da posse do cuzinho de Lucia, aproveitando o máximo da ligeira tremendeira de excitamento e nervosismo que Lúcia deixa transparecer da cintura pra baixo.

-Chega, putinha! Manda o corno ir embora! Quero voce sá pra mim agora!!

-Tchau amor...o Dr. Rafer já..chegooouu...e já....estááá...atrás de...miiimm!!

Com um adeus, Valter vê sua Lucinha recuar em vez de se virar e sair andando. Será que ela já dando a bundinha pra ele!! Não, impossível! - pensa ele- A Lúcia iria gritar, lutar! E ela não estaria tão controlada, como agora. Não, não! Impossível! Estou pondo coisas em minha cabeça!- finaliza seu pensamento.

-Vai Dr....vai! Empurra...meu cocozinho...pra dentro!- Lucia se abandona inteiramente ao abraço de Rafer, jogando os braços por sobre a cabeça, enquanto Rafer lhe morde a curva do pescoço e entre e sai do cuzinho daquela esposinha infiel.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Comtos heroticos de sexo gay fodendo meu primo EMOnegra da pra um de4 e chupa do outro por dificuldade em motelDedo na xoxota contosenteada nua contosgozando no cu peludinhos das velhas feiasconto mamando minhas tetas e me abusandocontos eroticos de velhosConto erótico marcinho enteadocontos eróticos mulher vai ate afazenda trepar com capataztrepando pau sua p*** prepara para o sábadocontos esporro-me na minha barrigaconto erotico coroa macho novinha no apertoconto erótico meu filho pediu uma espanholaRelatos eroticos de moleques de quatorze anos sendo estrupado por homens dotados na obracontos eroticos de barbeiro cortando cabelo de mulheres casadascontos eroticos arrombando a gordaa calcinha toda travada no rabomulher dismaia na pica do mindigocontos eroticos quando era novinhacontos eroticos casada e comida por traficantescontos eroticos de tio fodendo sobrinha a forçacontos eroticos estava fudendo a empregada e meu pai pegoucomendo a enteada contosokinawa-ufa.ru chantageadana viajem de trabalho a mulher transa com o chefe e gostou contoacampamento com as aluninhas – parte 2 conto eroticoenrabado no campingconto erótico sequestro de mulheresconto eritico gay bebadocontos gay negaoconto erotico, esposa, buceta alargadaMinha esposa saiu de shortinho socado no rabo contosminha novinha tarada contoa primeira f*** com travestinaturista contosbucetinha virgem bem pequenininho viscosaconto seduziu heterocontos eroticos eu e minha filha pecando carona com meu sogrocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos o cuzao da mamaegozando no cu peludinhos das velhas feiaseu quero ver a coroa instigando o marido com a calcinha fio-dentalcontos er arrombandoconto comi minha mae na prisaóMulher que fica çarando o priquito uma na outra ate sair galacontos eroticos com cachorrocontos eroticos ousados em lugares publicoscontos eroticos chantagem travestis e gueycontos eroticos com sogro e sograpelada em casa - contos eroticoswww.mulhers impinadas de calcinhacontos erotico bucetas estupradas desta semanaconto gay negao casado deuconto erotico podemos a madrasta no churrascoConto mete tudo papaicontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos erotico irmaosconto erotico pagou a divida pra arregacar o cuconto erotico calcinha fio dentalporno brasileiro antigo so mae e filho pauzudo incesto do prazercontos eróticos infância gay com gari heterocontos de incesto pai e filha no metrocontos eroticos ensinandoconto gay manaus ponta negracomendo a tia que esta olhando pela janelaContos eroticos o professor de quimica me comeu varias vesses e tirou minha virgidadeConto de cadelinha depósito de porra dos machos no barconto porno o mendigo e seus cachorro comeu minha mulhergarota no cio brincando com cachorrocontos eroticos esposa danadinhacontos eroticos com noviinhas sexoalmente precosecontos gay bebado paicontos Minha esposa rabuda provocando de shortinho contos swingTirei o cabaço da minha entiada e sua mae a ajudou para nao doer muitoContos encouxei a evangelica e ela