Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

UM ESPETÁCULO DE MULHER...

Uma noite quente, uma balada quente, uma mulher quente e por que não brincar um pouco?rnEla é um espetáculo, cabelos loiros longos e lisos, um corpo mingnon, nada grande, nada pequeno, tudo nela é na medida certa. Ela estava deslumbrante em um vestido vermelho justo que explorava todos os seu contornos, suas pernas, seu quadris, cintura e seios. Tudo nela é elegantemente e perfeito. Seu ir e vir denotava sensualidade e um pouco de pudor. rnPudor?rnVocê poderia me perguntar: Como uma mulher de vestido vermelho em uma balada gay pode ter pudor?rnEu não sei. Mas ela tinha. Parecia totalmente desinteressada em chamar atenção.rnEu logo me interessei, é lágico, quem não se interessaria por uma mulher bonita e com um vestido justo em uma balada? rnMas oque ela tinha a oferecer era bem mais que isso, eu sentia, eu sabia.rnNão conseguia tirar os olhos dela. Ela nem notava. rnQuem sabe minha baixa estatura ou meu ?ar? de pouco riso possa não ter lhe despertado interesse? Quem sabe?rnEla continuava a conversar com os amigos. Eu passei por ela para pegar uma bebida, passei por trás dela, e não resisti...segurei em sua cintura com minhas duas mãos e passei. Eu passei por trás dela, e ela me olhou com estranheza e uma certa prepotência; Como se me perguntasse : ?quem você pensa que é garota para pegar na minha cintura assim?? rnEu desfiz do olhar dela, sinceramente não estava me importando, eu tinha tirado uma ?casquinha? da cintura dela e me sentia suficientemente feliz com isso.rnPeguei minha bebida, encostei em um canto e permaneci observando, observava o tempo todo, observava seus olhos, seus gestos e o os seus contornos. Ela ainda desinteressada, ainda (pelo menos), desdenhava dos meus olhares e continuava dançando, sorrindo e se divertindo com os amigos. rnMinha bebida acabou e me diverti sá em ficar olhando para ela. A energia da apreciação é a mesma do amor, se o ser humano entendesse isso seria mais feliz!rnEu precisava de mais bebida e felizmente para obter mais bebida precisaria passar por ela novamente. rnE eu passei pelas costas dela e voltei a pegar em sua cintura, com minhas duas mãos, dessa vez bem mais práxima do corpo dela. Ela lançou um olhar fulminante de raiva, se sentiu realmente incomodada. Sinceramente, eu nem liguei.rnVoltei para um cantinho da balada e continuei observando-a.rnDe repente ela se afastou do grupo, pude ver claramente ela caminhando em direção ao bar, sozinha, com certeza iria pegar uma bebida. Uma multidão de gente estava lá, ela conseguiu encaixar-se de lado no bar e tentava penosamente pedir sua bebida.rn Eu achei que era o momento de me aproximar.rnLarguei minha bebida no canto (não queria derrubar tudo naquele tumulto do bar), fui para o bar e encaixei meu corpo atrás do dela. Ela imediatamente olhou para trás, acho que reconheceu o meu perfume, será? rnOlhou incomodada pelo tumulto no bar, como quem reclama de tanta bagunça e confusão. Eu com um de meus braços enlacei sua cintura com um dos meus braços e colei seu corpo junto do meu, como quem pega alguém que lhe pertence, o outro braço avancei para pedir uma bebida.rn A mão dela imediatamente segurou meu braço, não era um movimento claro de se decifrar, não parecia uma recusa, mas também não parecia uma aceitação...rnNesta posição, completamente encostada em mim e meu braço enlaçado na sua cintura, ela continuou pedindo sua bebida com uma das mãos e a outra continuou sobre meu braço.rnDe repente ela se virou e disse:rn- Você pode me soltar? Você quer o quê?rn- Não vou soltar, quero você.rnCom as duas mãos em volta do corpo dela eu a virei para mim e a beijei, ela retribuiu o beijo com um certo? ar ?de curiosidade. Foi um beijo rápido, havia muito tumulto alí, levei-a para um canto mais sossegado, encostei ela na parede e alí fiquei alguns minutos beijando e acariciando de leve sua cintura e pernas.rnEla era muito gostosa, o beijo fantástico, o corpo com contornos adoráveis. Eu de vez em quando encostava minha mão em sua bunda, mas ela tirava minha mão. Parecia não aceitar bem tanta intimidade. Eu notei que isso a incomodava, mas ela retribuía meus beijos e parecia gostar dos meus braços lhe envolvendo. Mas eu precisava de muito mais, e então sugeri:rn-Vamos para um motel, eu não aguento mais.rn- Não te conheço, não vou com você para um motel!rn- Você não está entendendo, eu quero te chupar.rn- Eu não te conheço!rn- Você não precisa me conhecer para deixar eu te chupar um pouco, precisa?rn- Preciso!rn- Deixa eu te chupar, depois você me conhece, vamos para um motel.rn- Você sá quer isso? Me chupar?rn- Agora é oque mais quero.rn- Como vai ser? Não vou para um motel com você!rn- No meu carro?rn- Não vou entrar no seu carro! Não te conheço!rn- No banheiro?rn- Isso é impossível! Não!rnPuxei-a pelo braço, entramos em um boxe do banheiro. Ela disse:rn- Isso está imundo, não quero!rnAbaixei a tampa da privada e sentei-me, puxei-a para mim e comecei a tirar sua calcinha. Ela resistiu um pouco, mas não imprimia muita força aos movimentos. Ela repetia incansavelmente:rn- Não quero assim, esse banheiro está imundo, para!rnCalcinha linda, renda vermelha, já estava na minha mão.rn- Quer ir para um motel?rn- Não, isso é loucura! Não quero, nem sei o seu nome!rnEnquanto ela falava coloquei uma de suas pernas em cima da tampa do vaso, o vestido subiu, a outra perna continuou no chão, ela estava toda depilada.rnAbaixei meu rosto delicadamente e a puxei pela cintura em direção a minha boca. Ela disse com a voz delicada e baixa:rn- Para! Eu nem sei seu nome...rnE acariciou o topo da minha cabeça, com seus dedos entre meus cabelos. E disse: rn- Você é louca;rnEu respondi com minha boca já encaixada em cima do clitáris dela.rn- Aham, por você.rnComecei a lamber com gosto e fome. Nem imaginava que ela gostasse tanto de ser lambida, ela jogava o corpo e a cabeça para trás, eu acariciava a perna dela que estava em cima do vaso enquanto lambia e sugava, sugava o líquido que saia de dentro dela, ela estava muito molhada, encharcada na verdade e continuava acariciando meus cabelos e beijava o topo da minha cabeça, como quem agradece pelo prazer com carinho e amor.rnChupei e lambi aquela mulher até ela gozar, ela gemeu e seu corpo estremeceu. Ela parecia estar totalmente derretida na minha boca.rnEla me olhou, depois do gozo, e disse:rn- Foi muito louco e estranho. Você vai me ligar amanhã?rn- Amanhã e todos os dias da minha vida...rnrnrnrnrnrnrn- rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Comtos casadas fodidas pelo filho novinho do vizinhocontoseroticosfuicornoa vizinha me convidou pra ir em sua casa,contoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteCU arrombado ABERTO madrasta contoTirei o c***** da minha enteada Camila e Ela gozou muitoeu meu caseiro e minha filha e suas amigas contosmulheres que esquesero de vesti a causinha mostrano abusetacontos eroticos mae filhacontos o pedreiro me fez mulherAluna colegial Fernanda dando a buceta pro diretormeu amigo me pediu para fazer sexo anal com ele gay contomamae levou meus amigos pra acampar contos eroticoscontos de incestos detei de conchinha fiquei de pau durocontos eroticos sou a puta dos meus primos piçudoscontos eroticos mulher santinhascontos eroticos cuidando da minhas sobrinhas e suas amiguinhascontos picante de casada sem calcinhajovem mostrando os pelinhis fino ds bucetacontos eroticos carro lotadorolas grandesno cu e gritosler relatos d homens q foram presos e tiveram o cuzinhos arrombadosContos eroticos de marcela no heContos porno de filha e mae que traem com pau grande e choracontos eroticos familia rentContos eroticos larissa a submissacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentepadrasto pegando enteado gays novinhos virgenscontoerotico virgem pai 2filhascontos eróticos minha tia de baby dollconto gay virei viadinhoconto eróticos comi minha prima mae solteira carenteContos ertico tia negrapeguei um menino pra comer minha buceta velha contosConto erotico gay virgem tendo quer da a força chomenor violou a mae gorda fodeu conto eroticocontos os peitos e o rabo da minha filha me seduziu comi eladei tanto minhA buceta no carnaVaL q to toda ardidaOuvindo fank e comendo o.cu do meu irmao gaycontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crente buceta carnuda comtos de sexoflagrei minha filha fudendo castiguei ela depois comi ela chorandocasa dos contos eroticos de coroasContos Eroticos Vóvocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos pagamentocontos pornôs gangbang madrasta obriga enteadabianca casada dando a bunda ea buceta contos eroticoscontos eroticos inssetos calçinha fio dentalpai com filha muito novinha contoscontos casada negaocontos eróticos com mulher q usa vestido coladocontos minha melhor amiga ficou se esfregando no meu paucontos eroticos de mulher de sc com cachorrocontos eroticos minha gostosa das academiahuuuuummmm gozeivideos de professores bonitos brancos musculosos com barriga tanquinho transando com a alunadepois de brigar namoradas lesbika fodim na istradagordinho do rabao contos eróticosconto erotico minha namorada trouxe amiga pra fuder com a genteContos eróticos mães com a buceta peluda e cheiro fortexvideos irmã de chortionho no sofa de perna abertacontos eroticos eu era virgemconto eroticos gay primocu e bucetas sendofodidos fotoso velho tarado me comeu contotroca troca de homens adultos contoscarla dando a buceta ora o seu filho de 18conto erotico de enteada rabuda e novinhacontos sexo velhoxvidio pinselei ate goza cdzinha enrabada pir coroas contoscontos eroticos meu pai alojou a rola no meu cuzinho e na buxetinhacontos eróticos engravidei de um garotomais de um 1metro de pau enfiando ate o talo na bucetacontos eroticos minha vizinha fatimacache:WL60GUVYjnsJ:https://android-source.ru/mobile/conto-categoria_4_73_incesto.html irma incesto contos