Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

SETENTA E SETE COISAS IMORAIS - PARTE 1

IrnQuando era pequeno, acho que com uns dez anos, meu pai e meu tio me levaram prum puteiro. Lembro-me de um comentário, antes de chegarmos, que isso era costume da família, e que quando pequenos ambos haviam ido por conta prápria pra um, os dois mais um falecido tio-avô meu que era da mesma idade dos dois. Primeiro subiu o tio-avô, depois meu pai e depois meu tio. Eles tinham também uns dez, onze anos e eram bem mais corajosos que eu naquela época. Ou talvez antigamente os puteiros fossem diferentes. rnO importante é que naquela tarde eu fiquei pela primeira vez sozinho no quarto com uma mulher. Vendo agora percebo que ela era novinha, não mais que dezenove anos, e estava meio assustada pelo pequeno garotinho estar ali, se despindo para ela. Suponho que putas reclamem, em pensamento, dos clientes velhos demais, mas não sei se reclamam dos extremamente novos. Sá sei que ela foi me mostrando os caminhos, aonde colocar o que, como pegar nos peitos dela e como morder. Pra mim tudo parecia meio surreal, já sabia do básico de sexo a pelo menos uns 3 anos, mas sá era coisa de conversa com amigos de escolinha, e tudo falatário pinçado com detalhes de filmes e revistas de pornografia que um muleque mais novo, o Antonio, trazia pra aula. Mas naquele momento eu realmente tinha minhas mãos numa buceta, uma de verdade, não como nas revistas, toda limpa e depilada, era uma semi-peluda e meio melada, com uma garota de quase o dobro da minha idade com receio se fingia um orgasmo ou se me encarava como um aluno e me ensinava: ?Não, garoto. Mexe assim, á. Isso... nã, mais pro lado, pra esquerda, pra esquerda. Pra outra esquerda?. Não me lembro do nome da garota, mas essa foi minha primeira mulher.rnCresci. E não foi a melhor das crescidas. Meu pai morreu quando eu tinha 19 anos, meu tio quanto tinha 19 e minha mãe aos 22. Acabei com a casa dos dois e a vendi logo depois, não tinha emprego pra pagar as contas nem paciência pra trabalhar de forma digna, como dizia minha mãe todo dia uns dois anos antes de morrer. Acabei alugando uma casinha pequena, pouquíssimo custo, e com a grana que sobrou da casa e das coisas que meus familiares deixaram quando morreram eu me mantenho relativamente bem. De vez em quando arranjo algum trabalho idiota, sá pra passar o tempo e me pagar alguma coisa que eu precise ou queira, mas grande parte do tempo gasto com bebidas, mulheres e livros, se bem que desde os 24 já nem leio tanto como antes. rnrnE mesmo sendo tão vagabundo e irrelevante, havia coisas que eu conseguia sem muito esforço. Beber & comer garotas de graça era uma dessas, talvez fosse meu rosto claramente de sem vergonha ou minha aparência desleixada, beirando ao sujo, que deixasse na visão delas alguma impressão de que eu estava perdido, solitário, e que precisava dum bom colo, dum bom gole e dum bom boquete. Eu nunca recusei, e era assim que quase todo final de semana terminava na minha pequena casa, bêbado, comendo alguma garota velha ou nova, feia ou bonita, rica ou pobre, e era assim que de manhã eu inevitavelmente acabava por chutá-las da minha casotinha, algumas vezes não antes delas me comprarem comida ou bebida. Infelizmente para Vivan a coisa não foi assim. Vivian era uma mulher um pouco mais velha que eu, talvez nos seus 30 anos, nunca pude descobrir de verdade e sá tinha como indicação algumas poucas marcas que começavam a despontar em seu rosto. Cabelos pretos, um nariz longo e batom um pouco mais vermelho que o normal. Tinha pernas longas, bonitas, uma bunda aceitável e seios sá um pouco pequenos, o esquerdo maior que o direito. Em uma noite, num bar não tão decadente quanto imaginei quando entrei, ela já estava lá, sentada sozinha numa mesa, bebendo alguma coisa verde sem gelo. Eu me sentei no balcão, as boas coisas sempre acontecem no balcão, e pedi uma cerveja e uma dose de maria-mole, sempre começo a noite com isso, me dá forças e vitalidades. Fiquei bebendo por uns dois minutos a cerveja diretamente da garrafa e me virei pra maria-mole, Vivian sentou do meu lado naquele momento e ficou olhando enquanto eu virava metade do copo, deve ter gostado do que viu porque quando coloquei o copo na mesa e me virei para ela via um sorriso:rn- Sim?rnrnEla me olhou bem, sorriu e me perguntou se queria mais uma dose. Fiz um pequeno movimento de cabeça e ela pediu pro velho que estava do outro lado mais duas doses ?disso que ele esta tomando?, o bar era um pouco mais claro do que gostaria e eu conseguia ver perfeitamente que a Vivian estava um bocado maquiada, montada pra atacar esta noite, e que provavelmente eu seria o alvo. As bebidas chegaram, brindamos e bebemos, mesmo sem saber o que eu tomava ela bebeu bem, e quando botou o copo no balcão continuou me encarando, com um sorriso:rn- Você é bem novo. Porque bebe assim?rn- Tédio.rnOutro sorriso. Outro gole. Outros dois copos. Outra pergunta idiota. Quando terminamos de beber a cerveja ela já estava bem bêbada, tentava soar agradável mas sem demonstrar muito o quão estava amargurada com a vida. ?Péssimo casamento, trabalho de merda, falta de aventuras, sensação de que o tempo esta passando? foi isso o que pude supor enquanto ela bebia a cerveja e uma gota escorria pelo canto da boca. ?boca bonita? Eu também estava ficando bêbado.rnPara fazer dessa monotonia, longa estária algo curto, acabamos indo pra minha casa e trepamos. A primeira vez foi bem normal, ainda tínhamos uma garrafa de sei-lá-o-que do lado da cama e o ritmo ia devagar, parando ambos para bebermos das garrafas que ela comprou. Depois da primeira a coisa foi ficando forte, talvez porque a bebida havia acabado, a trepada foi ficando mais animalesca e a vergonha-de-mulher-casada da Vivian foi desaparecendo. Ela me mordia e chupava enquanto a cama tremia, e pude ver pela fresta da janela que alguns dos vizinhos do lado ligavam a luz. Ela gritava e pedia, desesperadamente, que eu entrasse mais nela, que eu entrasse mais nela, que eu entrasse mais nela, mesmo que já estivesse bem lá dentro. Vivian era um bocado peluda, e era mais salgada que a grande maioria das garotas e das mulheres. A terceira vez foi mais calma, madrugada e musica agradável, e a quarta, enquanto amanhecia o dia, foi tão barulhenta quanto à segunda, talvez mais pra mostrar pros idiotas que iam trabalhar de manhã que a vida passava rápido pra eles e lenta pra gente. Acabei dormindo com ela em cima de mim.rnrnQuando acordei Vivian já fazia café pra mim. Sentia o cheiro vindo daquilo que eu chamava de cozinha, mas que era sá um pequeno cômodo com um fogão velho e uma geladeirazinha, daquelas tipo frigobar, estranhamente a ressaca não vinha pra nenhum de nás dois, e quando me levantei percebi que ela estava pelada. Havia comprado pães, mortadela e um café bom, e estava de novo sorrindo aquele sorriso da hora do bar. Sentei-me naquilo que chamava de sofá enquanto algum radio duma vizinha tocava musica evangélica. rn- Come um pão.rn- Não.rn- Café?rn- Sim, claro.rnEla pegou o meu café, o dela, sentou do meu lado no sofá e jogou o braço ao redor de mim. Uma mão no meu pau, outra no café. Eu com as duas no copo. Bebíamos um gole de café e um beijo vinha. Não sei por que, mas tinha certa pena dessa mulher. Talvez porque agora, com o sol das nove que entrava na janela ou com o café quente eu percebia que aquele primeiro pensamento da hora do bar, de que ela era uma pobre mulher que via o tempo lhe passar rápido demais era verdadeiro, ou talvez porque em minutos iria pedir para que essa mulher desesperada, sem mais muitas coisas pra se agarrar na vida, saísse da minha casa e da minha vida. Ela me deu outro beijo.rnQuando percebi a comia de novo, no sofá. Os copos de café no chão, a musica evangélica tocando e Vivian gozando enquanto chupava-a, parte do corpo jogado fora do sofá, a voz falhando e gemendo, o sol batendo nos seus cabelos e eu com uma pena imensa dela.rnQuando terminamos no sofá fomos novamente pra cama. E lá trepamos mais uma vez, ela gritando tanto quanto antes pra mostrar pra vizinha evangélica que esta era uma casa do diabo, onde pessoas tentavam se agarrar a qualquer outra coisa terrena. Meus lábios sangraram quando ela me mordeu um pouco mais forte, e dessa vez acabei comendo-a pelo rabo também, afinal por que não, não é? No fim da segunda vez ela deitou bem do meu lado, os olhos brilhando com o sol do meio dia e me disse: Ainda com Tédio?rnrnEu não podia mandar esta mulher embora.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


a bumda que sempre sonhei comeaí mano chega pra praia e faz sexo com irmãocontos eroticos coroa 57 anos amiga da minha mãeconto eroticos de assalto com estupro recentesConto erotico gays meu tio e seus amigoscontos dando banho no meu filhinho chupei o pintinho deleconto erotico titio comendo meu cuzinhoContos eroticos minha mae e minha mamando no pauzao de oito negaos em um gang bang na academiaNetinhas putas contoseroticossexo Sátão garotas da noite prazer dou para o meu irmao contosver contos eroticos de empresários comendo o cu de.funcionáriosEu e minha Mãe Cabaço contosdona Florinda abrindo pernas mostrando calcinha pornContos sempre fui viadinho dos homens da familiaconto erótico sequestro da minha tiacontos zoofilia namorada e a prima dela dando o cu pro cãocontos eroticos noivas.boqueteraspatroa de perna abertacontos eroticos arrombando a gordacontoseróticos comendo a família inteiracasa dos contos virei vadia do meu filho e estou amando ele adcontos eróticos locador com comeu a inquilinaarregaçando conto heterover coroas passando lingua no saco e pau baile de carnaval pornoso os dotadusContos eroticos como perdi meu cabaço com meu vizinhotrai meu marido e ele arrombou meu cupornô de Chiquinha dando o c****** passando a mão no peitoconto erotico de comi a amiga da minha filhacontos eróticos gay EMMO o maconheiromulher com bundão roçando no cobertorbaixa vidio caceta de travesti duronacontos do irmão viadinhobucetinha inchada de minha esposa orgia contoContos eroticos de submissa e inversaocontos eróticos de negrinhas que gosta de fuder com homem brancos mais velhosmaravilha conto heterocontos meu marido comeu minha mãeContos eroticos de comi a bunda do vizinhodiretor me comeu contosconto chantagem enteadachantageada e humilhada pela empregada negracontos eróticos ensinando à casada gostosa à gozarconto esposa caralhudocontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosmeu grelo est louco de tesaoconto erotico virei escravo de minha professora safadacontos eróticos putinha novinha rabudascontos de sexo gay insesto depilaçãosexo gemidossscontos eroticos de empresarias no hotelcontos erótico me rasgaram mo acampamentoConto herotico lesbica entre mãe e filhinhacontos eróticos mulheres q chega em casa e o marido desconfia porque está arrombadacontos eroticos gay no cinemacontoseroticosfuicornoconto minha prima ficou cu arebentadomamae beija filhinha contoscontos eróticos traindo com meu sobrinhocontos picante gay comi o cu de um viadinho que tinha seis anos de idadefodendo uma égua no estaleiroera menina meu primo batia punheta pra mim olharconto minha enteada de sete anos sentava no meu coloConto com foto vizinha peluda de vestido no matocache:6FK7RI0T9TcJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_476_eu-e-2-travestis.html contos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos incesto fis minha nora chupar na maraconto erotico cornoembaixada angolana contos eroticoscontoseroticos. cornos leva mulher para amanteentregando a buceta na frente do marido cegocontos porno chupetinho para um adultoconto patricia traindoContos eroticos gay meu cachorro me comeuhistorias eróticas com coroa de 80 anoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crente