Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA IRMÃ, MINHA AMANTE

rn rn Criada numa vila familiar, em meio a irmãos, irmãs, primos e primas que andavam nus praticamente todo o tempo, a diferença entre meninos e meninas nunca constituiu nenhum segredo para mim. Ao contrário, porém, das minhas amigas e parentas, que, confirmando Freud, eram fascinadas pelo árgão sexual dos meninos, eu nunca dei nenhuma importância àquele apêndice elogiado pelos adultos em detrimento do que nás, meninas, tínhamos de mais belo. Eu apreciava as xoxotinhas, que achava lindas como flores desabrochando. às vezes não resistia. Tocava numa ou noutra. Elas riam.rn Cresci. E Amanda cresceu mais que eu. Seus seios desabrocharam, suas curvas se acentuaram, o rosto ficou salpicado de espinhas. rn Dois anos mais velha do que eu, Amanda era minha irmã. Eu gostava de acompanhá-la ao seu quarto, onde, saindo do banho, enrolada na toalha, ela entrava para se vestir. Eu admirava seu corpo e os pelinhos que iam aos poucos adornando sua vulva. Ela, vaidosa, deixava-se admirar.rn ? Você me acha bonita? ? perguntava.rn Eu confirmava, contendo a vontade louca de tocá-la. rn ? Mais bonita do que a Andreia? rn Pouco mais velha do que Amanda, Andreia, nossa prima, tinha modos desenvoltos. Namoradeira desde cedo, vivia contando-nos o que fazia com os rapazes, que não era muita coisa. Amanda, às vezes, ia dormir em sua casa, que ficava na mesma vila. Acho que foi lá que ela aprendeu a se masturbar.rn Foi então que, por ocasião de uma reforma na casa, tive de compartilhar com ela o meu quarto. rn ? O que você está fazendo? ? perguntei quando, ao me virar de lado, vi, à luz do abajur, Amanda em sua cama com a calça do pijama baixada e a mão movimentando-se entre as pernas.rn Ela demorou a responder:rn ? Estou batendo siririca.rn Eu sabia vagamente do que se tratava. Mas era algo que eu nunca tinha feito, muito menos visto alguém fazer. rn ? É bom? ? perguntei.rn ? Claro que é ? disse ela. ? Vem aqui que eu te ensino.rn Fui.rn ? É assim ? disse ela. ? Coloca o dedo aqui... faz assim... assim... ai, como é gostoso...rn Ela se masturbou suspirando baixinho, depois parou.rn ? Aprendeu? ? perguntou.rn Aqui entra um mal-entendido. Sua intenção era me ensinar a arte da autossatisfação, ou seja, fazer em mim mesma o que ela demonstrava. Mas eu havia entendido diferente. Por isso coloquei a mão onde antes estivera a sua.rn ? Não, bobinha ? disse ela.rn Mas, tendo prestado muita atenção à explicação, eu já movimentava o dedo em seu clitáris. E ela não reclamou. Foi um momento de muita emoção. rn ? Assim? ? perguntei.rn ? É...rn Fechando os olhos, Amanda se entregou às sensações que eu lhe proporcionava e que sá mais tarde conheci. Era gratificante ver seu semblante em êxtase e saber que era eu a responsável por aquele estado de volúpia que a levava a suspirar e gemer baixinho. De vez em quando, seu corpo tinha como que sobressaltos. Eu ainda não sabia, mas ela estava gozando.rn Ao final, quando ela retirou minha mão, um impulso me levou a beijá-la na boca. Ela correspondeu. Levitando de felicidade, eu voltei à minha cama e dormi inalando seu cheiro, que ficara em meus dedos como recordação de um momento mágico. rn Nos dias seguintes, porém, ela preferiu ir dormir na casa de Andreia e sá retornou quando a reforma da casa estava terminada. Era o tempo dos arrependimentos, do pecado. Apesar de não expresso em palavras, eu sabia que sua estratégia era fugir da tentação, cuja recordação se interpunha em nosso relacionamento. Minha vontade de repetir o acontecido era enorme. Eu ansiava voltar a tocá-la. Ou, pelo menos, ver a linda flor entre suas pernas, que, eu tinha certeza, ela acariciava na solidão de seu quarto. Mas ela me evitava. E, ao contrário de antes, saía do banho já vestida.rn O tempo passou; entrei na puberdade. Sá então minha mão procurou o caminho entre minhas pernas para me mostrar a sensibilidade existente entre as dobras do meu sexo. A masturbação tornou-se um hábito. Mas, enquanto eu me deliciava com as sensações que meu dedo produzia no clitáris, minha imaginação voava para o quarto de Amanda, muitas vezes vazio, pois ela agora tinha um namorado e ficava com ele até tarde na varanda de casa.rn Aconteceu, então, que, devido à visita de uma tia, mamãe determinou que eu me alojasse no quarto de Amanda. Esta, ao contrário do que eu esperava, não reclamou. Tive até a impressão de que ela gostou da ideia de compartilhar comigo sua cama. Mas não era somente impressão.rn ? Vai namorar? ? perguntei quando ela, tendo tomado banho, escolhia uma calcinha na gaveta do roupeiro.rn ? Talvez ? respondeu ela num tom que hoje eu sei malicioso.rn Já passava das dez da noite. A minha pergunta não fazia, portanto, sentido. Nem sua resposta, se tomada ao pé da letra. Mas eu demorei a entender o significado daquele ?talvez?, que foi seguido de gestos fáceis de entender para um bom entendedor. Mas eu não era boa entendedora. Lembram-se do mal-entendido?rn Livrando-se da toalha, Amanda expôs aos meus olhos ávidos a beleza de seu corpo apetitoso. Engoli em seco. Depois, com gestos lentos, ela vestiu uma blusa curta e, por último, a calcinha escolhida, que ela depositara sobre a cama. Não foi de propásito?rn Meu coração batia descompassado quando, apagando a luz e acendendo o abajur, ela se deitou a meu lado. rn E agora? Estonteantemente cheirosa, cheirosamente provocante, Amanda não se aquietava. Virava-se, desvirava-se, encostava-se. rn Nossos corpos fremiam de desejo. Mas nenhuma das duas conseguia verbalizar o que pressentíamos estar prestes a acontecer. Apenas as respirações eram audíveis sob a nuvem de luxúria que se formava acima de nás e que, baixando, baixando, moveu minha mão.rn Que emoção!rn Timidamente, temendo ser rechaçada, deixei a mão repousar uns instantes sobre seu ventre. Mão boba, mão indecisa.rn Ela decidiu.rn Passando o braço sob minha nuca, Amanda se virou e me fez virar de modo a que ficássemos frente a frente. Então nossas bocas se encontraram e, enquanto nos beijávamos com ardor, minha mão adentrou sua calcinha.rn Que felicidade! Apás tantos anos de espera, eu estava, de novo, com a mão na boceta de Amanda, que tirou a calcinha para receber minhas carícias.rn ? Que gostoso... ? murmurou ela enquanto eu a masturbava, não como a aprendiz de outrora, e sim com o conhecimento que, adquirido em meu práprio corpo, me capacitou a sentir o momento de seu orgasmo.rn Então ela tirou a blusa e, puxando-me para cima dela, me pôs a mamar em seus seios enquanto me acariciava os cabelos.rn ? Se eu pedir uma coisa, você faz? ? disse ela com voz carinhosa.rn Fiz. Deixando um rastro de beijos em seu ventre, fui deslizando, deslizando, senti o contato de seus pelos pubianos em meus lábios, acomodei-me entre suas pernas e encostei a boca em sua boceta. rn Maravilha. Inebriada com o odor, fascinada com o sabor, eu beijei, mordisquei, lambi a boceta de Amanda com a alegria de quem prova pela primeira vez um prato há muito cobiçado. Ela se contorceu de prazer, sussurrou sua satisfação, confessou o desejo que vinha reprimindo nos últimos anos.rn Seu desejo?rn Apás gozar com as estimulações de minha língua no clitáris, ela tirou meu pijama, tirou minha calcinha e eu me arrepiei ao sentir sua boca em minha boceta. Minha irmã, minha amante. Abrindo bem minhas pernas, ela saboreou minha boceta, que já encontrou úmida de excitação, e, com lambidas rápidas no clitáris, me proporcionou uma sequência de orgasmos de intensidade inédita. rn Minha irmã, minha amante. Na noite seguinte, ela terminou com o namorado, entrou no quarto, chaveou a porta, ficou nua para mim. E eu fiquei nua para ela. Então nuas nos abraçamos, nuas nos beijamos e nuas juramos o pacto de amor incestuoso que persiste até hoje. rn ..................................................................................rn Este texto foi revisado por Érika com a condição de que eu divulgasse seus livros (assinados por L. Martins). Através do link seguinte, você poderá ler alguns capítulos da edição digital do último volume de sua trilogia, altamente erática: http:bookess.comread8689-erika13.rn rn rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


titiocolocadevagarconto erotico pm macho batalhão estocadascantos erótico comendo a mãe e a irmã juntominhas duas prima foi dormi em casa cime fou a duasmulher. safada. botado o leite do peito para foracomeram minha esposa,contos eroticosmulher escanxa no cachorro e goza gostosocontos eróticos de gordas maduras dando a b***** para homem mais novas f******fodendo com desconhecido no motel contosm insinuei e fui estrupada e gostei muito contos eroticosesposa exibicionista praia contosporno lésbicas cuidado da minha mãe em contos meu pai viaja pornodoidomeu cao meu machotelefne de meninas de sorocaba que transa dentro do carrocontos de jumento fudendo o cu da coroaconto erotico comendo crente fielmulher jujuba de vestidinho mostrando o rabaocontos eroticos de iniciação gay: mete devagarcontos de pau grandecontos eróticos com irmão de santoconvencir minha mulher zoofiliaconto esposa se transforma na casa de swingConto erotico gay virgem tendo quer da a força chono colo contos eróticosfui comida feito uma vadia vacabunda e chingada de puta contos eroticosconto gay de pai com vaqueirocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto praia de nudismo com a esposa continuacontos eroticos cagou no paucontos eroticos entre garotinhas novinhasminina pela de mostrngo a busetacontos eroticos gay boneca menina da maecontos eroticos enchi a minha filha de porraconto dei minha bucetinha muito novinhacontos eroticos tentei correro pito da minha sobrinha e o cu da cunhada contoscontos eróticos encesto fudendo com o meu filhoxxx conto Incesto+Minha mae saiu comigocontos heroticos de meninas bem novinhas com padrinhos vizinhos e padrastoera menina meu primo batia punheta pra mim olharComtoerotico pequeninaconvencimeu marido a ser cornocontos eroticos meu.padrasto me.comeucontos eroticos casada com cunhadoA briga do casal contosfiz bacanal com minha filha e o filho do caseiro contoscontos insesto comi minha irma e mae duas gostosas com fotoscontos eróticos gay irmãos machos se esfregandoconto erótico gay taxista manausConto esposa de tampa sexocontos de coroa com novinhocontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos de casadas que encarou um pau gigantescozoofilia tesourairmao fode irma contos EroticosRola gostosa adoro mamar contoseroticosContos erotico exibi meus peitos enormes pro papaicontos erótico de estupro em boatescontos incesto sobrinhae o marido viajando no meu tio meu tio meditando contos eróticos transei com elecontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosConto gay incesto rocacontos eroticos cu de esposa vermelho cheio de porra com fotoquero tua jeba rasgando meu cucontos erotico sou cazada beti punheta pro meu amigo pornoum careca inesquecivel contoscontos eroticos menino comeu coroa de 70 anos enquantoo ela dormmiafamily sex 2 - contos eroticosex cunhada safada casada com presidiárioconto erotico comi avizinha quarentonaConto os seios de minha maeContos filha de 7 com papaicontos eróticos namorada outraconto erotico homens castradosContos eroticos campingsubrinha doidinha para dar o cuzinho contos