Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

HEROI COMUM DA LIBERTINAGEM 01

Herái comum da libertinagem 01rnrn Dias atrás neste mês de Setembro de 2012, em um barzinho com meu grande amigo Thommas na tradicional Rua Augusta, pude enfim contar pra ele segredos da minha vida carnal, das quais nunca imaginei contar para algum ser humano, pois as possibilidades de repúdio são grandes dadas as tradições culturais de nosso país que herdou uma característica de criticar qualquer ato dessa natureza (que logo entenderão). Depois que contei algumas histárias pecaminosas ao meu amigo ele ficou até mesmo contente e exasperado com tamanha ousadia, e disse: rn- Leonardo você tem que escrever isso.rnEu fingindo surpresa, pois de fato escrevo em meus diários desde os 19 anos, principalmente atos sexuais que jamais tive coragem de contar a outros, e que aqui devo relatar a partir dos meus 19 anos. Sou de 1987. E minha proposta aqui iniciada é transcrever aqui essas histárias que tenho registrada em meus cadernos feitos de diário, mas somente as melhores. O interessante delas são os detalhes que foram escritos e guardados que traz um contexto totalmente real, por isso algo possível, coisas que aconteceram que dependeram em muito da minha audácia e sorte, e o fogo guardado em cada situação. Não vou dizer aqui que transei com ?panicats? e ?top models?. Sou apenas uma pessoa de dotes comuns que tem coragem de fazer o que acredita parecer oportuno. rn Em 2003 morava com minha mãe Claúdia, padrasto Alberto e minha irmã mais nova Cristine perto do metro Artur Alvin na zona leste de São Paulo. Meu padrasto que era camelô naquele ano perdeu tudo. Vivíamos muito pobres. Eu me contentava em ficar lendo horas, e até esquecia a fome, que quando aparecia me mandava automaticamente pra rua atrás de papelão e latinha. Por ter um átimo desempenho na escola e ser educado, apesar de viver numa condição precária, todo fim de semana era chamado pra casa de uma tia muito rica, dona de uma grande empresa de marketing que morava em um grande apartamento em Pinheiros com meu primo Rene três anos mais novo, justamente para fazer companhia a ele.rn No dia 12122003, uma sexta feira á tarde cheguei a casa dele, minha tia Mari sá chegaria depois das 20:00 horas. No quarto dele me mostrou seu videogame novo todo empolgado, a ponto de nem me deixar jogar. Nisso a empregada, que se chamava Francisca, uma Pernambucana magra, rosto até atraente, de aproximadamente 1,70 metros, peitos pequenos, uma bunda que se destacava um pouco do restante do corpo pela leve curvatura, e que sempre que passava eu automaticamente olhava sem que ela percebesse, chegou no quarto e disse: rn- O bolo está pronto.rn Eu com fome e entediado de assistir aquele jogo, apesar de não ter acesso aos brinquedos eletrônicos nunca fui fã, tampouco de televisão, resolvi ir até a cozinha. Meu primo que já era pançudo aquela época rejeitou o bolo e continuou jogando. Chegando a cozinha peguei o bolo, e ao invés de retornar ao meu primo, reparei que no quarto de empregada depois da cozinha, longe dos quartos restantes do apartamento, a Francisca assistia sentada na cama com a porta aberta um programa do João Kleber, alguém deve se lembrar dos famosos testes de DNA, um grupo com duas mulheres bundudas dançava. Aquilo para mim era algo totalmente novo, pois minha infância não permitira espaço para malicia. Eu nunca havia nem me masturbado, não sabia nem como fazia exatamente. Quando vi aquelas dançarinas bundudas meu short não pode controlar a elevação. Hipnotizado caminhei com prato de bolo de chocolate com cenoura até o umbral da porta. Penso hoje que aquela porta deve ter sido o divisor da minha vida entre a inocência e malicia. Até tinha esquecido a presença da empregada por um instante. Quando de repente ela se vira para mim com a maior cara de pau do mundo e uma malicia que me era novidade:rn- Você gosta disso? Minha resposta foi sentar-se ao seu lado calado. rn Nessa hora reparei até mesmo o que ela vestia: Um short bege bem curto, que apesar de não ser colado, apresentava o desenho triangular de sua buceta, suas pernas brancas de pelos raspados tinha certa luminosidade; e uma camisolinha de alcinha branca mostrava a entrada de seus seios. Um calor intenso se fez presente. Eu estava tão excitado que sem o menor pudor coloquei meu pau para fora do short, ela estava do meu lado, bem práxima, virada para a televisão e não tinha como não reparar aquele membro tão duro que até doía. A vergonha havia desaparecido e ela ao meu lado olhava com o quanto do olho e surpresa com minha atitude, continuamos a assistir enquanto eu olhava para aquelas bundas na tela e alisava o pau. Passados uns cinco minutos ela bateu na minha coxa esquerda e disse com seu sotaque pernambucano para que eu fosse esfriar aquilo ali mesmo no banheiro dela. Na verdade eu não sabia nem o que fazer, sai com o pau todo duro do quarto, ela levantou pegou uma toalha amarela me entregou, sem parar de olhar para meu membro ereto, aquilo me deixava mais excitado ainda, os olhos delas cintilavam. Entrei no banheiro e comecei a esfregar aquela coisa dura. E coçava muito, as primeiras vezes não sei se alguém aqui lembra. Nossa eu não parava de pensar na Francisca, de como ela era safada. De repente meu pau começou a disparar uma enxurrada de porra no azulejo branco do banheiro, tinha vontade de gritar, minhas pernas se curvaram, quase cai. ?Nossa!? Sai do banheiro como se nada tivesse acontecido. Minha tia Mari chegou minutos depois, eu já estava no quarto com meu primo que nada percebeu. Francisca foi visitar a família no fim de semana. E chegou na segunda de manhã. Como estava de férias fiquei por lá. Eu não parava de pensar nela. Na segunda minha tia pediu para que eu fosse com a Francisca na padaria. Eu aceitei de imediato. E no caminho da padaria disse a ela que fossemos por ruas diferentes, para a gente apostar quem chegasse primeiro. Ela perguntou o que queria se ganhasse a aposta. Eu disse que queria ver a calcinha dela. Disse séria que eu era muito safado, mas que tudo bem, mas se eu perdesse lavava a louça do café e do almoço. Eu por ser muito esportista e estar com aquele desejo todo corri com tanta rapidez que cheguei quase um minuto antes que ela. rn- Você correu não vale. rn- Era quem chegasse primeiro.rn - Esta bem, quando sua tia for trabalhar te mostro, mas é sá isso.rn Apás minha tia ir embora fui á cozinha enquanto meu primo jogava vídeo game. A Francisca estava de calça jeans, e camiseta. Nem acreditei quando me levou para a lavanderia, abriu o zíper da calça e abriu a parte da frente, uma calcinha amarela com desenho de um sorriso apareceu, meu pau já estava muito duro. Rapidamente ela ergueu a calça para meu desespero. Ela muito séria me disse que eu já tinha visto de mais, e eu inconformado disse que queria ver a calcinha inteira. Ela aparentemente muito contrafeita, sabendo que eu ia ficar perturbando o dia todo e tentando livrar-se de mim cedeu, e acabou baixando novamente a calça, sá que dessa vez eu pude ver até o espaço entre as coxas, e aquele volume de sua xana, estava tão concentrado que pude ver até os pelinhos ralos escapando da calcinha em sentido as coxas. Ela levantou a calça e com uma risada bem safada me disse.rn- Pronto.rnNem preciso dizer que fui correndo para o banheiro me masturbar. rn Nos dias seguintes ela tornou-se fria, e não dava uma única brecha. E para piorar na quinta feira ela foi arrumar minha cama a noite, que ficava no chão ao lado da cama de meu primo, ela estava com um pijama cinza, uma espécie de vestido curto, eu abaixei para olhar sua calcinha, vi que era branca, e tomei um puta esporro, ela saiu toda brava do quarto, meu primo não entendeu nada, aquilo me deixou muito ressentido. rn Na sexta-feira dia 19122003 minha tia saiu com meu primo para um evento de sua empresa, e disse que ia demorar, era final de tarde. Minha grande alegria foi saber que ia passar a morar com minha tia e meu primo no apartamento. Estava na sala assistindo um filme, quando a Francisca me chamou no quarto dela. No caminho imaginei que ela daria um esporro por causa de quinta. Mas tomei um susto quando cheguei ao quarto, ela estava arrumando as malas para ir embora? Sim era isso mesmo, e me pediu ajuda pra dobrar as roupas, a surpresa maior era ela estar com uma toalha branca enrolada no corpo. Fiquei imaginando se ela estava com calcinha ou não. Comecei ficar excitado, mas tentava evitar olhar pra ela, e tomar uma nova bronca. Ela me disse que ia subir na cama para pegar suas coisas no alto do guarda-roupa, e pediu para eu ajuda-la, já que alguns objetos eram de vidro. Fiquei ao lado dela, e tentava evitar olhar diretamente pra ela, quando ela olhava para cima tentando pegar algo eu rapidamente olhava para suas pernas torcendo para que a toalha subisse. De repente ela esticou o corpo dizendo que o objeto estava muito fundo e abriu a perna para se apoiar, e neste momento não pude deixar de olhar pela primeira uma buceta na minha frente. Meu pau ficou tão duro que não dava nem para disfarçar o volume no short. Enfim ela pegou o objeto e virou-se para mim no exato momento em que eu ajeitava meu pau dentro da cueca e olhava fixamente para seus lábios vaginais bem depilados. Na hora não sabia o que fazer e até fiquei envergonhado. Ela abriu um sorriso maldoso e disse. rn- Que você estava olhando?rn Mesmo envergonhado meu pau continuou erguido, e reparei que ela olhava em sua direção.rn -Por que ele esta assim? ? Me perguntou apontando o dedo.rn Não consegui nem responder e abaixei a cabeça de cima. Em seguida ela disse:rn- Se me deixar ver seu pau, tiro a toalha. rn Ela sentou na cama de forma que seu rosto ficasse práximo ao meu quadril. Imediatamente desci o short, o pau deu um salto para cima em direção ao seu rosto. Ela pode ver agora mais de perto meu membro que era um pouco maior que a média dos brasileiros, as veias esticadas. Ela disse:rn-Nossa! É bem maior que do meu marido.rn Quando ela disse isso, automaticamente meu pau começou a jorrar porra na sua cara, ela tomou um susto tão grande que foi tentar falar algo e um novo jato de esperma foi em direção a sua garganta, começou a engasgar, abaixou um pouco a cabeça e inundei seu cabelo de leite, suas roupas na cama ficaram encharcadas. Fiquei em desespero apesar do prazer que senti. A toalha dela caiu, pude ver aqueles peitos rosados saltarem, e aquela bucetinha rosada. Ela calmamente se levantou limpando a região dos olhos com aquela cara escorrendo porra e disse:rn- Nossa! Você nunca gozou?rn- Me desculpe, foi sem querer.rn - Melecou um monte de roupa. ? começou a rir maliciosamente.rnNeste momento passei a entender que na verdade ela tinha gostado, pois a putinha percebeu que meu pau continuava duro e falou:rn- Isso ai não desce não?rn Agora que ela estava nua na minha frente é que meu pau não descia mesmo. E fiquei olhando para sua xoxota. Ela percebendo isso deu risada novamente. rn- Vou tomar um banho, coloque as roupas que você gozou numa sacola. rnEla foi para o banheiro, começou a tomar banho com a porta aberta. Eu peguei as peças que estavam molhadas de porra e as guardei. Ela gritou lá do box: rn- Venha me ajudar tirar essa coisa grudenta do meu cabelo. rnEu com remorso de ter feito aquilo fui imediatamente para o banheiro. Ela pediu para entrar dentro do box, e que eu tirasse o short e a camiseta. La estava eu com aquela estaca armada entrando em um espaço pequeno com aquela gostosa, ela virou-se de costa e pediu que olhasse seus cabelos, eu comecei a olhar sua bunda com xampu escorrendo, estava tão excitado que não conseguia nem prestar atenção nos cabelos. Eu me encolhia para não encostar meu pau em sua bunda, mas era quase impossível, pois ela fazia movimentos para trás de forma que as vezes meu pau encostava no meio de suas nádegas, aquilo foi se tornando comum, a ponto de meu pau ficar encostado de vez nos meio das suas nádegas. Ela começou levemente a forçar aquela bunda deliciosa para traz, e quando arrisquei forçar meu pau na entrada de seu cu, ele começou a deslizar bem de vagar, ajudado pelo xampu e pelos seus gemidos, ela passou o braço na minha nuca e gritou:rn- Empurra caralho!rnEu dei a primeira estocada de minha vida naquele cu maravilho tão forte, que ouvi o barulho de minhas bolas batendo em suas nádegas serem interrompidos pelo seu grito, e suas mãos desesperadas tentavam afastar minhas cochas, querendo tirar meu pau dentro dela. Mas era tarde, pois minha primeira metida sá poderia ser interrompida pelo gozo, mas enquanto ele não vinha e meu corpo era tomado pelo instinto selvagem continuei metendo desesperadamente, minhas mãos puxavam seu cabelo com força, tanto que pude finalmente ver seu rosto, a vadia estava chorando, gemendo, gritando... Não pude segurar por muito tempo e meu pau começou a inundar aquele buraco que tinha acabado de arrombar, percebi que do cu dela saia tanto esperma como sangue. Soltei o cabelo dela e fiquei vendo aquele rabo escorrendo. A Francisca era tão puta que virou pra mim:rn- Adorei esse pau grande. rn Era uma puta de mão cheia mesmo. Eu ia lavar meu pau para sair, mas ela abaixou-se pegou meu pau com as duas mãos e com a boca limpou o resto de porra e sangue que havia saído do cu dela. Sai muito satisfeito daquele banheiro. Fui para o quarto de meu primo dormir. Nunca mais eu a vi pessoalmente. Apenas em uma tarde que meu primo me chamou para assistir aqueles programas de teste de DNA onde a Francisca acusava seu namorado de ser pai de seu filho. E eu mentalmente o acusava de ser corno de pau pequeno. E ainda fiquei com o quarto dela que virou meu ambiente libidinoso.rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos gays a goiabacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteno colo conto gayxvidio tinho berbado asubrinha fica taradaMe arrumei para meter com.outro e o corno sabendo  Marilia e Juliana estavam mais uma vez fr ente a frente para uma dolorosa batalha. Ambas traziam nos corpos as marcas feitas pela outra em combates violentos e sangrentos. Marilia vestia tão somente uma minúscula tanga branca fio dental. Juliana uma  Eliana: é meu vizinho que quer comer meu cucontos eroticos arrombando a gordaconto nao flagra o filho chupando o pau do amigocontos eroticos velha acabada de mais de 70 anos dando o culer contos de sexo de mulheres sendo chantageada na estrada e dando cuzinho pra dotadosContos eroticos seduzi a mae do meu amigo uma coroa bem recatada e dona de casaconto real comi o cuzinho de aline bem novinhagakelini fudedocontos eroticos comi toda a familiaconto gay tirei o atraso do meu primoperdi meu cabaço da buceta pra um cavalo contosvídeo pornô a mãe dela tava de biquini o genro só dava a sogrameu tio me comeu meu cuconto erotico gay: dotado arromba cuzinho de novinho curiosoconto punhetinha gostosaConto gay papai bebadocontos bato punhetapornô grátis boa f***.com só contos preta peituda transando com genroContos eróticos dei em nova iguaçucontos eroticos decornos amigoscomtos eroticos humilhada e currada por molequesjaponesinha novinha foi da pro negao se arrependeuconto marido gangbangcontos eróticos de professor Gaycontos eróticos minha esposa trouxe sua sobrinha para morar com a gentevoyeur real coroas em casacontos eróticos com inversão de papéis incestuosacontos de cú de tiacontos eroticos gozada em familiacontos Casei com um velho de pau grandecontos estuproscontos erotico sobrinha novinha mais muito safadinhaconto fomos fudidos em ménage sem quererfui na fazeda so pra dar mia buceta pro cavalo ponecontos erroticos de incestos filha amante do paiConto erotico amarrada e revezadabuceta ebumdaocuzinho da mae contosComtos erotecos de imcesto minha mae sentou no meu coloarregaçando conto heterocontos casada sendo fodida para marido verconto erótico de zoofilia vários filhotes xupando minha bucetacontos eroticos de noracontoseroticoscabacinhochaves comendo cu da chiquinhaestupro assalto “casa de praia”contos de pervertidospia se acha ser pausudocontos eróticos perdi minha virgindade com um pau grande e grossocunhadinha dando o cu apoiando na mesacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos levei rola com meu marido en casadesmaiou quando o caralho enorme do negro entrou no cumachos arrombador de gay afeminadocontos de traicao anal,postados no facebookcontos gay afeminadosTia perucas com a calcinha rnfiada na buceta gozadacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos o cara do onibusContos erotico desvirginei as filhas do meu amigocontos eroticos incesto com avôContos eróticos de Gay O Amigo do meu Pai Comeu Minha BundinhaContos eroticos c imagens meus dois chefes me comeram por dinheirominha sogra e ninfomaniaca contocontos madura no ônibus lotado com meninotomou pirusada do cavalo e gostoufui pintar a casa da minha cunhada com ela e minha esposa e o marido dela cantos eroticosque cunhada