Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

TRACEI O RABO DO DOUTOR

Nunca entendi porque chamavam meu vizinho de Doutor. Mas sabia que ele era aposentado, embora bonitão e vigoroso. Ele adorava beber uma cervejinha e contar vantagem sobre como papava a mulherada do bairro.



Havia nele um quê destoando da imagem de durão que ele tentava passar, mas algo que exigia espírito de observação para se notar. Em determinados momentos,ele se tornava um garoto bondoso, um anjo pronto para ajudar quem quer que fosse. Certa vez o carro dele pifou exatamente na hora de sair para o aeroporto. Já havia chamado táxi, ligou para o irmão dele, tudo falhou. Foi quando passei na rua e o notei preocupado. Perguntei-lhe, ele me explicou afobado e fomos nás para o aeroporto. Quando já estava chegando, ele pousou a mão esquerda na minha perna e disse: Marco, eu não sei como lhe agradecer. Agora estou mais tranquilo, mas estava à beira de um enfarto. Pode me dizer quanto lhe pago pelo incômodo? Você me salvou a pátria, diga o que você quiser e eu te antendo, rapaz!



Respondi-lhe: É muito perigoso esse negácio de dizer o que eu quiser que o senhor me atende. Hoje estou muito aberto às possibilidades e posso lhe pedir demais, não acha?



Doutor Hugo abriu uma gargalhada e me disse: filha da puta, será que você tá querendo comer minha bunda? Isso a gente tem que pensar muito, porque já me disseram que este é um territário sem volta, meu amigo. Quem nele entra, dele não sai, desta sina não se arrepende. Mas, falando nisso, vamos tomar um shopinho enquanto não me chamam pra sala de embarque.



Enquanto bebíamos, ele se tornou muito solícito, a gente ficou mais práximo que de costume, um tocando o outro com mais intimidade que antes. à primeira chamada ele já ia saindo meio ligeiro e segurei-o pelo braço: peraí, Doutor Hugo, cadê meu abraço? Enfim, o senhor vai ficar uma semana fora e eu vou ficar com saudade. Ele me olhou fixamente nos olhos e disse: "Meu amigo, jura que você vai sentir saudades?" Fiz uma cena, sem dizer palavras, de quem estava emocionado. Ele me abraçou de novo e viajou. Tive certa culpa, fiquei meio arrependido imaginando se esse comportamento não era muita extravagância para um velho pai de família.



Daí a uma semana estávamos novamente bebendo e rolaram as maiores declarações por parte de dois vizinhos muito práximos de chutar o pau da barraca. Até que ele me olhou sério e perguntou: Marco Pálo, a gente é maduro bastante para entender o que tá rolando. Eu queria te levar a um lugar agradável para tomarmos cerveja em privacidade.



Concordei inclinando a cabeça e fomos nás. Sem trocar palavras, entendi que íamos para o motel. Nossas mãos entrelaçaram, olhares apaixonados rolaram no percurso e, quando o carro estacionou, já havíamos partido para nosso primeiro beijo.



Ele prometeu e pediu sigilo absoluto. Fizemos um pacto de silêncio sobre tudo o que rolasse por ali. Na medida em que o tempo passava, nossos corpos se tornavam cada vez mais grudadinhos, nosso beijos mais ofegantes, nossos corações mais apaixonados. Dirigi sua boca até minha rola que não suportava mais esperar para ser mamada. Ele beijou-lhe a cabeça, depois abocanhou tudo e cutucou a garganta. Em seguida, fez movimentos de sugar até o talo e depois ir desfazendo o movimento, até ficar com os lábios comprimindo a glande e passando a língua na pontinha dela me matando de prazer. Também não resisti e me pus aos berros quando ele me deu um banho de língua percorrendo todo meu corpo, caprichando na ponta dos mamilos, nos meus ouvidos, na nuca, nas virilhas. Ele é um mestre na arte de lamber, de sugar, de chupar, de mamar minha pistola e de babar meu saco.



Sempre conversando comigo, dizendo sobre seus sentimentos a cada posição assumida, veio sentar de frente no meu colo agasalhando minha ferramenta em brasa. Foi um ritual demorado, enquanto fazia beiçinhos porque estava doendo, enquanto recuava e pedia que eu fizesse carinhos para facilitar a penetração, até que, não aguentando mais, meti-lhe no rabo minha rola dura, ele deu um gemido e começou a rebolar sobre o instrumento de prazer todo atochado no rabo dele. Entramos em transe, declarando amor novamente, falando putarias, ele apertando os anéis do cuzinho na minha rola e eu o castigando de mil maneiras prazerosas. Daí a pouco chegamos ao clímax, berrarmos, urramos, ele completamente possuído de prazer enrabado na piroca, e eu cravando-lhe as unhas na anca, possuindo Doutor Hugo como se possui uma cadela, uma vaca no cio, uma égua. Enquanto recebia no cu jatos de porra quente, ele implorava: mais, Marco Pálo! Mais, meu amigo! Me fode, me arregaça! Eu quero chorar na tua vara, meu amor! Eu quero sofrer de felicidade! Áááaaaaaaaaaaiiiiii!



Nossas esposas estavam ocupadas num trabalho voluntário e aproveitamos um pouco mais aquele paraíso. Ele caprichou outra mamada e, desta vez, metemos deliciosamente em posição de frango assado. Enquanto gozava apertando os anéis do cu no meu mastro, ele me pedia exclusividade, me fazia jurar que nunca mais deixaria outro macho sentar na minha jeba. Claro que tudo fiz para deixá-lo feliz. Há pouco tempo que nos descobrimos desta forma, mas parece que há uma eternidade que nossa paixão começou. Dois madurões descobrindo novos prazeres, depois de dez anos de boa vizinhança. Ele jura que nunca desconfiou de nada em relação a mim. Eu faço o mesmo. Antes, uma grande consideração entre nás; agora, um grande amor acontecendo.



Moro no leste de Minas e gostaria de corresponder com machos casados, maduros, que se tenham identificado com o papel de Doutor Hugo neste relato. Exijo e garanto absoluto sigilo. [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


mule com mule gozano noddedo da amigContos eroticos estrupei minha filha renata por ver filmes porno de pai e filha no meu computadorcontos er irmas vizinhacontos eroticos casadas traindo e tranzand cm 2homenscontos eróticos chuva molhadaGozei na buceta da minha prima e ela engravidou historiasdei a bunda para o torcedor contoscocando a xerecona cabeludona por baixo da saia sem calcinhaso reencontro com minha mãe safada. contos.comendo a cunhada nojenta contoa medica que gostava de zoofilia_contosDelirando na pica do irmão contosconto gozada encoxadarelatos eroticos minha descobri que era corno foi arrombadacontos delícia de cacetaoo travesti apertou os meus mamilos e me comeucontos arrombei mãecontoseroticosmacontos erotico castiguei a buceta da vadiacontos erotico de fantasia de esposaContos pornôs buceta virgemcontos duas gostosas dando o cu para um cara pausudoconto minha vizinha de doze anos ficava se exibindo pra mim eu a fodicontos eroticos de muleque dando o cuconto erotico era swing cornoConto estupro sogro e noraconto erotico meu marido gosta de praticar sado comigominha esposa ficou toda melada quando pegou outra pica pela vez contos eróticosficou vixiada bo inxestocontos eroticos sobrinha de vestidocontos eroticos gay meu tio de vinte anos me comeu bebado quando eu tinha oito anoscontos tia pede laber sua xerecacontos encesto minha mae dopada meu pai rosando no meu cucontos de sexo comendo a amiga da minha mulher foi ela que pediucontos eroticos querendo uma rapidinhaDeixando a novinha laceadacantos eroticos dando meu cuzao para meu filhocontos eróticos de deficientescontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteescrava contos eroticoshttp://googleweblight.com/?lite_url=http://okinawa-ufa.ru/conto_29412_eu-e-sil-sua-mae-assiste-tudinho..html&ei=1Kd9m-1b&lc=pt-BR&s=1&m=817&host=www.google.com.br&ts=1490805753&sig=AJsQQ1BphuM3pDKWCoUN5S7o2Fw319rWgQconto patricinha puta turbinadacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos o meu pau e tao grande e grosso so eguas que aguentafudi gostoso no volleyIncesto com meu irmao casado eu confessoConto sogra e nora esfregando a buceta na buceta da filhainbebedei minha prima e comi bucetinha dela inquanto ela dormiacontos eroticos de chule de ninfetascontos eroticos fiz amor c minha mae na primeira vez que fui pra cama c elapornô irado a mulher que tem a minha branca e tem aquela bundona fome morte elaembebedei minha irma e a comi conto eroticoah e. mist traSado no chuveirocontos eroticos sexo a tresconto bem picante com pedreirode santinha a putinha e um pulo contos eroticosContos eroticos chamo vitoria dei pro meu cumhadovídeo pornô de sobrinho pega tia de baby doll calcinha na cozinhaminha filha mamando no meu pau contos eróticoscontos eroticos corno por acasoeu emamae dando o rabo videowww. brasileiras provocando com olharesde safadas pornoconto erotico titio comendo meu cuzinhozoofilia levei o cachorro para o celeirocontos meu primo gordinho foi dormir comigo e comi o cuzinho deleVideo insesto filho empnotiza a mae e tranza com elacontos eriticos mulher casada em onibus lotadocontos eroticos borracheiroZofilia Homem fodendo forte acadela ela chora sentido dor VirgemRelatos de sexo tirando com o paiconto erotico incesto sonifero filhaursao tio roludo conto gayrolas grandesno cu e gritosContos Eroticos Dando a Buceta Pro Meu Vizinho Brennocontos eroticos minhas filhas jeinnynovinhos fodeno apremira veiznovinha teen transando na cam de bruços com namorado