Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O MAGRINHO DO PAU GROSSO

Conheci Bruno no MSN. Nos identificamos logo de cara. Ele louco por uma bunda gulosa, carnuda e empinada. Eu, alucinado por uma língua no meu rabo e uma rola sedenta de prazer. Trocamos telefone e passamos a conversar durante praticamente todos os dias da semana.

Nos encontramos na entrada de seu apartamento. Mal entramos, e ele meteu a mão na minha bunda carnuda, por cima da calça justa que eu usava. Segundos depois, ele já estava de cueca e comecei a alisar seu cacete, enquanto sentia sua boca deslizando em meus ombros.

Nossa, gente, que surpresa! Embora Bruno fosse franzino, magrinho mesmo, o cara tinha uma rola muito grossa. Assim que ela ficou totalmente dura, mal dava para segurar ela numa pegada de mão. Minha admiração se transformou simultaneamente em receio também. Como aguentar uma caceta daquela? Meu cuzinho estava muito longe de ter se acostumado com uma espessura daquela envergadura. Mas já que havíamos começado...

Com o pau super duro e apontando pro teto, Bruno me virou de costas e começou a despir-me, aproveitando para passar a vara no meu rabo, me encoxando. Apás me deixar totalmente nu, me empurrou de bruços na cama e enfiou a língua molhada e macia em meu cuzinho piscante.

Realmente, o cara adorava chupar um rabinho. Lambia, mordiscava e me penetrava com sua língua quente. Não aguentei e comecei a gemer. Suas linguadas iam ficando mais nervosas. Suas mãos abriram completamente minhas bandas da bunda, expondo meu anel por inteiro e até seus lábios esmagarem meu lordo. Comecei a rebolar em sua cara e podia ouvir, de forma meio abafada, ele dizendo que minha bunda era uma delícia, que eu era um tesão. às vezes, eu rapidamente ia de encontro ao seu pinto e tentava enfiar ele todo na boca. De tão grande, a baba escorria por todo seu membro. Adorei engasgar daquele jeito. Tirava o gigante da boca e o segurava sendo o meu troféu.

Calmamente, Bruno se afastou até a borda da cama e me colocou de quatro – posição que eu adoro – e voltou a chupar meu cuzinho, agora totalmente desabrochado. Eu, sem me conter, me peguei sorrindo sozinho e com o pau super duríssimo, fato que pareceu deixar meu macho mais safado ainda. Mal ele tirou a língua da minha bunda, pude sentir sua rola já encapada se esfregando no meu rego, subindo e descendo. Vez em quando, a cabeça da pica se encaixava naturalmente no meu culeiro e dava pequenas estocadas, tudo feito de forma desapressada. Em alguns momentos eu novamente saía daquela posição pra abocanhar sua benga novamente e, simultaneamente, sentir o gosto do meu práprio rabo e lubrificar bastante aquela verga de respeito.

Naquela sacanagem carinhosa, meu cuzinho foi dilatando sem dor e Bruno foi me convencendo que, daquele jeito, era muito natural qualquer bunda aguentar uma pica daquela, ainda mais a minha que estava faminta por rola.





Os minutos se passavam e sua rola ia ficando cada vez mais ousada nas pinceladas em meu anel. Pude sentir, mais feliz ainda, que a cabeça de sua pica já era praticamente engolida pelo meu cu. As tais encaixadas no meu rabo passaram agora a serem mais demoradas e, com tanta saliva e paciência, sua pica ia deslizando em minha bunda feito um parafuso, abrindo calmamente cada milímetro do meu reto.

“Que delícia de cu, cara. Que bunda gostosa!” – Ele repetia essa frase feito um mantra.

“Ai, como você mete gostoso. Devagarzinho, amor. Ai, que fodinha boa!” Eu murmurava feito uma putinha.

E assim fomos até que eu me peguei empurrando a bunda em direção à sua cintura até sentir aquela rola imensa de grossa todinha, todinha dentro do meu cuzinho. Que felicidade. Para ter certeza daquele fenômeno, coloquei meus dedos no rego e pude perceber que seu saco já encostara em minhas coxas. Não sentia nada de dor, somente tesão. Me sentia totalmente preenchido, mas não sufocado. Era perfeitamente gostoso.

“Nossa, amor, entrou tudo! Tá todo esse cacetão na minha bunda?!” – perguntei afirmando.

“Tá, meu amor. Guardei ele inteirinho nesse rabo delicioso. Agora vou te foder, viu? – Bruno confirmou o que eu já sabia.

Meu macho me pegou então pela cintura e começou a estocar com força, fazendo até barulho. Começamos os dois a nos conter, pois nossa vontade era de gritar. Eu, com o rabo já todo arrombado, fiquei de cinco, ou seja com a cabeça esmagada na fronha e a bunda inteira pro teto. Ao lembrar-me de um filme pornô, matei um desejo antigo: abri bem as bandas da bunda, junto ao rego e, ao mesmo tempo que expus totalmente meu cu arreganhado para aquela deliciosa invasão, pude sentir Bruno praticamente me sustentando ao segurar firme minha cintura. O safado percebendo minha putaria, tirou a piroca inteira do meu rabo e mandou eu abrir ainda mais as bandas. Meu cu estava um verdadeiro poço, liso e sem pregas. Dava até pra sentir um vácuo dentro do reto. Sá de lembrar me dá vontade de bater uma punheta onde estiver.

“Puta cuzão do caralho!” – nem ele parecia acreditar.

“Tá gostoso, amor. Faz mais assim. Me arromba, seu puto!” Eu já estava pra lá de descontrolado. “Olha sá o que você faz com meu cuzinho.”

Depois de várias vezes repetirmos essa sacanagem, falei pra ele que não estava aguento mais tesão, mas queria gozar com ele socando a benga na minha bunda. Entretanto, o safado tinha adorado aquela exposição anal e, ao expor mais uma vez meu cu arregaçado, não aguentei e gozei feito uma cadela no cio. Gemi feito uma mocinha. Minhas pregas estava tão dilatadas que mal sentia as piscadelas do orgasmo. Bruno então tirou rapidamente a camisinha e começou a se punhetar vendo eu daquele jeito, de cinco com o rabo todo arrombado e piscante.

“Tô gozando... pra caralho, que delícia!” – foi mais ou menos isso que eu ouvi ao sentir aquela chuvinha quentinha e maravilhosa em minhas nádegas.

“Goza gostoso, amor. Joga toda essa porra na sua putinha arregaçada!” – ordenei.

Como eu estava todinho inclinado, aquele creme escorreu por toda minha costa. Exausto, derrubei meu corpo lentamente, ficando de bruços na cama. Mesmo tendo juntado as pernas, dava ainda pra perceber o “estrago” que aquele pintão tinha feito no meu cu. Dava pra enterrar quatro dedos nele sem dificuldade.

Quando eu já estava terminando de me trocar, Bruno voltou do banheiro dizendo que na práxima vez ele me queria sentado e rebolando naquela super vara. Se eu não conhecesse sua paciência e carinho, iria dizer que aquilo seria praticamente impossível, mas depois de sentir o quanto ele era competente, o mínimo que poderia era dizer é que eu já estava ansioso. Sai do apartamento rebolando feito uma vadia, com ele dando tapinhas no meu popozão todo fodido e confessando: “to fissurado nessa bunda!”

Minha saudade da sua piroca aumentou ainda mais nas horas seguintes quando, naturalmente, meu cu começou a voltar ao normal e, na medida em que ele se contraía, me dava mais vontade de sentir novamente aquela sensação de ser arrombado com meiguice.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Contos eroticos da mamae quer ajudar filho a semastubarcontos eróticos primos no perigocontos erotcos sonhos compapaiconto erotico violentada na escolacontos de sogras casadas dandofui desvirginada pelo meu namoradoenbreaguei minha irmã comi o cu delarelatos de esposas de cornos mansosas mulher freira depilando o priquito no conventoraparam minha buceta a força contos.contos orgia com jogadorescontos de chantagem com fotos e coroas fodendo com garotoscontos eróticos de filhos t***** de pelas calcinha da sua mãepeguei meu pai comendo meu amigo conto eroticocontos eroticos de incesto com filhinho viadinho com a mamãenunca falei eu falei contos eróticosmulatas do bundao e pitos caido gostosa.contos eroticos de encesto chupando cu dos filhos bebadoszoofilia tesourafotos cim zoom so de cacetes duros melado de porrao bundão de minha mãe . parte 2. contosamigo hetero contoContos eróticos, ai tio, goza na minha mãocomi minha tia conto realistacontos cdzinhascontos eróticos espiandoDOU CU DESDE PEQUENAcontos eróticos sonífero e grávidezgarota apostou qui aquenta da o cuconto eroticos corno churrascocontos comadres lesbicascontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos de carona a pai e filhacontos gays lekinhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecomendo o primo e olhando pela janela Contos Eróticos abusada todos os dias por estranhoscontos eroticos sou casada realizei o desejo do meu sobrinhomuie pega a manguera do amigo do cornaoComo da o cu usando ropa de menina curtinha gaysconto lesbico tia iniciando a sobrinhalevei minha prima pro mato na infanciacontos erotivos mamar no pau infanviacontos de mulheres que tomaram ativador sexualcontos eróticos fui flagrado comendo minha sogramaisexo peituda senta e goza na boca do macho contos eróticosminha vizinha transex safada contos eroticoscontos eroticos arrombando a gordanovinhas na seca se alivio se masturbandoContos erotico dois policial dotadu fudel minha esposaxvidio minha mina sai para tranpa e eu como Minha sogra xvidiocontos eroticos comi minha filha a forçacontos bebendo porrscontos eroticos comi a novinha crentea minha cunhada casada e saia justa contos com fotoscontos presente da esposacontos eroticos cunhada me ajudou quando me acidenteicunhadas gostosas de fio dental batendo p****** para o seu cunhado e no banheiro fazendo xixicontos erotico rabuda e o filho Praia nudismominha primeira traiçãoconto dei minha buceta pro mendigocontos de coroa com novinhoproposta indecente novinha contosconto porno crente coroa casadacontoseroticosviolentadaconto errotico apostando a esposacontos vi pau enorme cheio de veiascontos eroticos arrombando a gordavelha da buceta grande contosNayara chupando contocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentefui em excursão pro mato com minha irmã contoscontos de menina nova perdendo o cabacocontos chupei um pintaotirando uma sarradinha mas cunhadinhacontos eroticos motoqueiros violentam mulher