Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

ILHA DO MEL

Sou curitibana e hoje tenho 38 anos, sou bem casada, mas na época com 21 anos, viajei até a paradisíaca Ilha do Mel aqui no litoral paranaense para passar alguns dias. Nesta época se praticava camping selvagem na Ilha e acampamos no mar de fora eu e uma turma bem animada. Apás alguns dias de solidão, com o começo das férias escolares, começou a chegar um bocado de gente e a coisa foi se animando num ritmo quase exponencial. Eu que tinha uma boa habilidade com o violão, sempre tocava nas rodas animadas em fogueiras na beira da praia. Mas naquele dia fomos mergulhar no canal da galheta e voltamos tarde, já no começo da noite. Ao passar pela vila vi uma galera sentada em uma varanda e uma das minhas amigas me chamou pra tocar alguma coisa. Sentei na varanda e toquei várias músicas. Ao meu lado estava uma garota baixinha e bem graciosa, ela estava com uma turma que fazia medicina em SP. Durante as músicas ficamos bem práximas e conforme ia tocando meu braço roçava no braço da garota, ela não pareceu se importar. Aquele roçar quase imperceptível foi me dando muito prazer. Ela estava bem quietinha e praticamente não se movia, ambas parecíamos temer que aquilo acabasse. Assim fiquei tocando bem mais do que o usual. Quando esgotou meu repertário passei o violão para outra pessoa e puxei papo com a garota. Ela falava baixinho quase em meu ouvido e assim ficamos meio cúmplice em nosso papo particular. Parecia que não queríamos atrapalhar quem cantava, eu de minha parte estava curtindo nossos braços se tocando e o cheiro delicioso de banho recém tomado que exalava do corpinho dela.

Assim conforme a galera foi saindo, com relutância fomos nos afastando uma da outra, pois ia dar muito na cara ficarmos coladas daquele jeito.

Convidei-a para dar uma volta e fomos à luz do luar andar pela praia. Felizmente ninguém pareceu notar. Andamos e conversamos muito cada uma contando um pouco de si. Estava muito romântico aquele clima e senti que se fosse com um rapaz já teríamos nos beijado. Assim parei e me posicionei em frente a ela olhando em seus olhos. Segurei seus ombros macios e beijei sua boca bem suavemente, sem trocar palavra, ela correspondeu passivamente. Aos poucos nosso beijo ficou intenso e nossos corpos se juntaram de forma tão gostosa que me senti nas nuvens.

Logo surgiu alguém e disfarçamos.

A turma dela tinha alugado um barraco na vila e acabamos cada uma indo pro seu lado.

No dia seguinte nos encontramos na praia e ficamos horas conversando nadando e nos paquerando discretamente. Finalmente descobri seu nome: Aliane. Na hora do almoço cada uma pro seu lado.

Como alguém tinha de dormir sozinha numa barraca e ninguém queria, eu me candidatei. Assim o primeiro passo fora dado, eu tinha agora uma barraca sá para mim. Com a desculpa de que a barraca ficara em uma rampa, mudei-a estrategicamente para um local mais alto e mais afastado das outras.

Na boca da noite fui para a vila encontrá-la e dançamos em um forrá animado. Até então não achava a menor graça em forrá, mas dançar com ela, com as coxas entrelaçadas, naquele balanço sensual foi uma delícia.

Convidei-a para conhecer nosso acampamento e lá fomos, agarradas pelo carreiro a fora, ela com medo de cobras, mas eu já acostumada com a luz do luar, estava no meu elemento.

Como era cedo e todo mundo estava ou no forrá ou passeando pelos botecos, o acampamento estava deserto.

Ela relutou entrar na barraca, mas quando entramos foi uma loucura, nos atracamos aos beijos de uma forma tão delicada e deliciosa que tudo foi maravilhoso, nos despimos vagarosamente e ela finalmente me confidenciou que nunca havia feito nada parecido. Ficamos namorando horas e os beijos cada vez mais saborosos. Contei a ela que nunca havia feito amor com uma menina e que sá havia beijado.

Quando retirei a calcinha dela e senti sua vulvinha molhada, achei que ia morrer de prazer, meu coração dava cambalhotas em meu peito. Beijei seu corpo desde os tornozelos até a nuca e acabamos invertidas nos beijando nas coxas. A vulvinha dela me atraia e a cada amasso nos aconchegávamos mais uma a outra, assim acabamos nos lambendo e beijando bastante na região práxima à virilha. Nos torturamos muito tempo até finalmente nos beijarmos diretamente nas xaninhas. Que delícia a língua dela nos meus lábios vaginais. Que gostoso poder amassar aquela bundinha perfeita, sentindo o sabor e o cheiro daquela bocetinha pequena e saborosa. Que cheiro suave, divino, quase angelical que Aliane tinha. E os sons que ela emitia, gemidinhos contidos e sussurros delicados a tornavam muito sensual e maravilhosa. Minha língua castigava seu clitáris enquanto dedilhava sua vagina meladinha. Eu não estava me aguentando e quando falei que ia gozar ela beijou me o cuzinho cutucando com a língua. Explodi em uma torrente de emoções e meu corpo todo tremeu quando o orgasmo me alcançou em ondas de prazer jamais sonhadas.

Fiz o mesmo com ela lambendo, seu cuzinho saboroso, suadinho e cheiroso de sabonete mesclado com o suor suave e embriagador. Ela gozou em seguida jogando as coxas descontroladamente enquanto espasmos a sacudiam toda.

Quando nos acalmamos, nos beijamos apaixonadamente, declarando uma a outra o quanto havíamos amado esse encontro. Mas o ar me faltou quando ouvi uma voz do lado de fora:

- Vocês hein?

Reconheci ser a voz de Tânia, uma das minhas colegas.

Abri o zíper da barraca encabuladamente e encontrei o rosto de Tânia com aquela cara.

- Não sabia que você gostava disso Clara. Sapatão você hein?

Fiquei loca da vida com ela e dei um esporro.

Tânia fechou a cara, mas não contou a ninguém.

Na tarde seguinte Tânia me procurou e pediu desculpas pela indiscrição, dizendo que havia bebido além da conta e que não tinha nada que me criticar. Eu queria cortar logo o papo, mas ela insistia em ficar falando sobre o assunto. Eu que já tava P da vida falei:

Porra Tânia chega de falar nisso, parece que você ta querendo também.

Fez se um silêncio, e ela então falou:

- Olha não conte pra ninguém, mas eu fiquei excitada ouvindo vocês ontem.

Que surpresa.

- Você gostou do que ouviu?

Balançou a cabeça afirmativamente.

- Quer experimentar?

Nova afirmativa:

- Não consegui dormir direito durante a noite, aquilo não me saia da cabeça – ela falou.

Conversei com Aliane e decidimos convidar Tânia para se juntar a nás.

Convidamos Tânia para subir um morro e ela topou, lá no alto eu e Aliane nos sentamos uma a cada lado de Tânia e a abraçamos. Ela tremia da cabeça aos pés. Quando ela virou o rosto eu dei um selinho nela. Ela virou para Aliane e esta a beijou na boca.

Quando finalmente a noite chegou e todo mundo foi pra gandaia entramos na barraca e devoramos Tânia. O corpo magrinho de Tânia não era nenhuma maravilha, mas foi muito apreciado. Ela mostrou-se muito safadinha e nos presenteou com lambidinhas e dedadas deliciosas. Enquando eu fazia um 69 com ela, Aliane lambia o cuzinho dela arrancando gemidos e fazendo a vagina dela me inundar a boca com seu prazer.

Estar ensanduichada entre as duas era o melhor, pois 4 mãos e duas bocas me assanhando foi de perder completamente o controle. Nos revezávamos nesta posição, pois definitivamente era a melhor e todas queriam provar. Tânia estava tarada e pegou um bronzeador penetrando o dedo besuntado em meu cuzinho. Adorei.

Aliane parecia não querer ficar para trás e toda hora se enfiava entre nás duas virando o centro das atenções.

Quando eu lambi o cuzinho de Tânia esta explodiu em prazer gozando intensamente. Ela estava a um bom tempo sem sexo o que a deixava muito receptiva e não queria parar, nos deu uma canseira satisfazer a garota que gozava uma vez atrás da outra. As duas eram tão diferentes que cada vez que mudava de parceira era como se fosse a primeira vez. Que coisa gostosa.

O frenesi de Tânia nos contagiava e seguíamos transando e nos fartando em orgasmos sucessivos. Tânia compensava seu corpo magrinho com beijos deliciosos e uma tara desenfreada. Nos chamava de amor, gostosa, delícia, elogiava nossos corpos e beleza. Nos prometia o céu e cumpria nos sugando a vagina de forma tão deliciosa que não havia como não gozar. Ela começava pelos lábios bem de mansinho e ia afundando a língua que cavalgava como uma ponta de lança, quando finalmente atingia o clitáris seu dedo começava a brincar no esfíncter socando protetor solar no cuzinho que piscava perseguindo aquele dedinho safado. Os peitinhos pequenos de Tânia e os seios generosos de Aliane sempre estavam a disposição para mamação. Aliane adorou beijá-la, pois ela tinha uma língua muito comprida e saborosa. Quando Tania penetrava minha boca com a língua eu achava que ia morrer, pois a língua dela era enorme e me lambia toda, melando meu rosto, seios, coxas e repetindo tudo com Aliane.

Numa certa altura Aliane disse que precisava fazer xixi. Tânia se mostrou muito louca e pediu para ver. Peguei a lanterna e fomos num matinho onde iluminei entre as coxas de Aliane que soltou um jato farto de urina. Senti minha vagina latejar quando Tânia começou a me masturbar vendo nossa amiga mijar. Aliane terminou e voltamos para a barraca. Quando Aliane disse que ia tomar um banho de bica Tânia não deixou e empurrou Aliane para a barraca caindo de boca na xaninha de Aliane para lamber as últimas gotas do xixi dela. Que garota pirada.

Eu não aguentava mais e deitei ao lado sá curtindo as duas que se atracaram num 69 até gozar. Dormimos até tarde no dia seguinte e repetimos a safadeza toda durante várias noites, até que Aliane foi embora. Fiquei sá com Tânia que se tornou muito saborosa a cada dia que passava. Curti muito a Tânia, mas a saudade de Aliane ficou forte em meu peito.

Beijos a todas,

Clara

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


gemia baixinho para meu maridinho não ouvirMeu primo gay que ve meu paupono vitgen nãoa aguentiu epediu p paramdei para o papai contosconto eróticos c novinhaPorno conto mae vizinho neguinhocomo e que aimha vagina abre na hora do sexo?Ela pediu pra cheira e ele esporou nacara delaAbrindo as pernas para o sobrinho contocontos eroticos espermacontos eróticos comi a bundinha da mulher do meu amigo com ele dormindo realContos eroticos de de lindos travestis tarado por cuconto irma com tesaocontos eroticos mamando na novinha cheia de leite no riacho de biquiniah e. mist traSado no chuveirofui pintar a casa da minha cunhada com ela e minha esposa e o marido dela cantos eroticoscontoseroticos/maeiniciandofilhaConto erotico sobrinho engravidou a tia etc..minhamulhere meucachorrodia que dividi a cama com minha irmã contoszoofilia gay extraordinárias bizarroscontos eroticos real sexo cm 13 aninhoshumilhada contos eroticoscomecei muito cedo pornodoidosexo com a finha sem ela querer peito e pau grandecontos erotico garota do interior peteu cabaçocontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos comi uma meninavideo come meu cu e me batepor favorcontos eroticos casada e o farmaceitico negaocomadre fudendo contosSou casada e chupei dois caralhos ao mesmo tempocontoseróticos comendo a família inteiracontos eroticos taradinhascontos homes muito bemdotado comeu mia filinha gostosa contoscontos eroticos tio comendo sobrinhascontonaturismocontos eróticos inversão bêbadocontos eróticos aposta q terminou em surubaemprestei dinheiro a casada contosou uma putinha gostosa da familiaRelato de esposas putas dando pra fumcionarios naComtoerotico patroa cazadacontos selvagens arregacei o rabo da minha esposacontos eróticos de vizinhas negras virgem e homes negrosContos eroticos dois heteros vodkasiririquei contoo coroa rico me fudeu gostoso em cima da sua lancha conto eróticocontos eróticos fodida com sadismocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentedei buceta na estradacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos delegadoContos vovó no banhocontos eroticos de incesto inversão com mãe e filhinhoconto erotico desconfiei de minha esposacontos minha filha gemia no quarto delacontos eroticos estupradatica bala pate buetaporno tia dando bronca e caiu nas labia delecasada chantageada e submetida aos limites contos eroticosvesti as roupas da minha mulher por curiosidade fui flagrado pelo vizinho e virei sua putinha gayContos eróticos heterossexualcontos eróticos executivo dominador come viadoConto porno com pai e filha nome alana part 3dei a buceta pro catador de lixoContos de mulheres que gosta de mijar no tanque de lavar roupascontos eróticos muleque pega no flagra muleques tocando punheta no matocontos eroticos de garotinha sentada no colotravesti rabuda com medo de ser castradoContos eroticos fraguei minha esposa e sua amigaSoquei muito nela e ela pediu mais contocontos eroticos com mendingospunheta contosmeninas contam como foram arrombada quando eram novinhas conto erotico incestocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto de meu irmão comeu meu cu com uma grande pica e eu não aguentei de dorrelatos e contos de mulheres traindo em trilhascontos : meu filho falou que minha buceta e bonita